Dicionário Florestal: Um Guia para a Interpretação de Indicadores, Apresentações e Relatórios

Saber interpretar o conteúdo de um relatório de performance é essencial para que todo investidor possa acompanhar a situação de seus ativos.

Com o investimento florestal a realidade é a mesma, mas oferece um porém: uma vez que operamos com um ativo florestal, nos expressamos em termos que apesar de corriqueiros para os profissionais e estudiosos da área ambiental, podem dificultar o entendimento daqueles que não estão familiarizados com este jargão.

 

Os Termos Técnicos no Manejo Florestal

Se você está se perguntamos o porquê de utilizarmos inúmeros termos técnicos-científicos em nossos materiais, ainda que sejam mais difíceis de se compreender e memorizar, a resposta é simples: além de facilitarem a comunicação entre profissionais de determinado ramo de atuação, esses termos são muito mais eficientes e precisos na hora de descrever situações específicas.

Estabelecer um entendimento pleno entre profissionais, é essencial e decisivo para garantir a redução de erros nos processos e procedimentos, reduzir o tempo para a solução de problemas, e assim, melhorar o desempenho do time.

Agora que você conhece a importância dos termos utilizados, no cotidiano, por nossa equipe de manejo e pesquisa, chegou a hora de você também aprendê-los:

 

Adubação Verde

É um processo de nutrição das espécies cultivadas, realizado por meio da associação com outras espécies plantadas. Esse processo é responsável pela melhora na qualidade dos produtos finais e contribui para o crescimento saudável das árvores.

 

Amazônia Legal

Ocupando quase 60% do território brasileiro, essa área é composta por municípios dos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e Maranhão. Sua instituição, pelo Governo Federal, tem como objetivo promover o desenvolvimento da região amazônica nas esferas social, ambiental e econômica, uma vez que todos os estados da região compartilham características e desafios políticos e socioambientais similares.

 

Aproveitamento Final

Esse indicador diz respeito a toda a madeira, oriunda dos módulos florestais, que ofereça as condições necessárias para comercialização, após o corte raso.

 

Área Basal

Simbolizada por um “g”, a área basal corresponde a área da floresta ocupada pela madeira. É a forma mais comum de se descrever a densidade de uma Floresta, além de ser muito utilizada para se apurar a capacidade da área para estocar biomassa e a capacidade de desenvolvimento da floresta.

 

Área Degradada

Um local ou imóvel rural onde foram realizadas, anteriormente, atividades prejudiciais à qualidade do solo e ao meio ambiente.

 

Ativo Ambiental

Esse termo se refere a qualquer bem ou direito que tenha origem ou destinação para o controle, proteção e preservação do meio ambiente.

 

Biomassa

Considerada uma das fontes de energia renovável mais importantes e sustentáveis no mundo, a biomassa é formada por elementos orgânicos como restos de plantas, folhas e frutos. Esses elementos são estocados em abundância em áreas de floresta.

 

Cadeia Produtiva

Indica todo o conjunto de atividades de uma determinada produção. No caso da produção florestal, a cadeia produtiva se inicia na implantação do módulo e finaliza com a comercialização madeireira.

 

Consórcio

Esse termo se caracteriza pelo cultivo simultâneo de duas ou mais espécies em um único plantio. Essa é uma técnica que traz diversos benefícios ambientais e produtivos.

 

Coroamento

Esse procedimento, cotidiano para os trabalhadores do campo, consiste na limpeza e retirada de outras espécies vegetais ao redor do caule da planta. Essa técnica oferece vantagens como a prevenção à competição por nutrientes.

 

Corte Raso

É o evento final, quando todas as árvores do módulo serão cortadas rente ao solo para fins comerciais, dando início a um novo ciclo de plantio. No caso do Mogno Africano, esse evento de liquidação ocorre entre 17 e 20 anos após o plantio.

 

Créditos de Carbono

Essa é uma das ferramentas de compensação ambiental amplamente utilizada por empresas responsáveis por atividades de alto impacto ambiental, mas também pode ser utilizada por pessoas que desejem compensar as emissões de gás carbônico resultantes de suas atividades cotidianas. Cada crédito de carbono representa 1 tonelada de gás carbônico, e esses créditos podem ser obtidos e comercializados por empresas que comprovem e certifiquem que suas atividades sequestram e estocam grandes quantidades de carbono da atmosfera.

 

Espécie Exótica

É considerada uma espécie exótica, qualquer espécie introduzida, de forma intencional ou não, em uma região distinta ao seu local, país ou região de origem.

 

Exploração Sustentável

Corresponde ao uso comercial de produtos de origem natural, através de processos e técnicas capazes de manter sustentabilidade de recursos renováveis. Esse tipo de exploração visa suprir as necessidades do mercado, sem impactar em demasia a biodiversidade. No caso da exploração sustentável de madeira, são escolhidas espécies bem aceitas pelo mercado para serem trabalhadas através do manejo florestal.

 

Dendrômetros Eletrônicos

São sensores instalados aleatoriamente nas árvores de nossos módulos florestais. Sua finalidade é o monitoramento e verificação, por amostragem, do desenvolvimento diário das florestas. Nós utilizamos 20 sensores a cada 20 hectares. Os dendrômetros armazenam dados, coletáveis via bluetooth, de forma contínua.

 

Desbaste

Técnica utilizada para melhorar a produtividade madeireira. É o primeiro evento de corte massivo de uma floresta, quando parte das árvores são removidas a fim de melhorar o desenvolvimento das árvores remanescentes. Nesse corte, são escolhidas prioritariamente as árvores de menor desenvolvimento ou defeituosas para serem desbastadas, priorizando as árvores mais promissoras.

 

Diâmetro a Altura do Peito (DAP):

Essa medida indica, em centímetros, o diâmetro do tronco de uma arvore, e deve ser mensurada na altura de 1,30m (contando a partir da base). Esse indicador é utilizado para avaliar o volume ou área basal da floresta em pé

 

Floresta Estabilizada

Esse termo indica uma floresta plantada que já atingiu um patamar de riscos reduzidos. Essa área demanda menos atividades de manejo e é menos suscetível à mortalidade, pragas, formação precoce da copa, incêndios, entre outros riscos de ordem interna ou externa

 

Fuste

É a parte do tronco da árvore, que se estende da base até os primeiros galhos. É também conhecida como a parte comercial de uma árvore.

 

Idade de Corte

É a quantidade de anos que determinada espécie leva para alcançar a maturidade de sua madeira, normalmente equivalente ao ponto econômico ideal para exploração comercial do plantio. É também, a idade com a qual recomenda-se o corte raso.

 

Incremento Médio Anual (IMA)

Esse importante indicador representa o ganho total de volume da floresta, dividido pela idade das árvores. Nesse ganho total é considerado o crescimento em altura, diâmetro e área basal.

 

Implantação

São todas as operações iniciais do manejo florestal. Essas atividades se iniciam no preparo do solo e finalizam quando a floresta está plantada.

 

Inventário Florestal

Esse é um instrumento essencial ao manejo florestal adequado. Esse procedimento proporciona, aos proprietários da terra, maior conhecimento quantitativo e qualitativo das culturas ali presentes. Durante o inventário, são aplicadas técnicas de medição a fim de se obter dados e informações sobre a quantidade, desenvolvimento biológico, proporções e demais características das espécies presentes no módulo.

 

Madeira Beneficiada

Consiste na madeira que já passou por qualquer processo de acabamento mecânico ou manual, capaz de agregar valor de mercado ou permitir a diversificação em seu uso final.

 

Manejo Florestal

Uma atividade econômica oposta ao desmatamento, realizada através da utilização racional e ambientalmente adequada dos recursos florestais. O manejo segue 3 princípios fundamentais: ser ecologicamente correto, economicamente viável e socialmente justo. Através de técnicas de exploração sustentáveis e de impacto reduzido, o manejo visa extrair produtos florestais de forma eficiente, diversificada e favorável à manutenção e recuperação da floresta.

 

Pagamento por Serviços Ambientais (PSA)

Indica um mecanismo de remuneração para agricultores regenerativos, produtores sustentáveis, povos indígenas e tradicionais que utilizem suas propriedades para finalidades, comerciais ou não, que tragam benefícios para a sociedade.

 

Reposição Florestal

Consiste no plantio obrigatório de árvores, exigido para qualquer pessoa, física ou jurídica, que explore ou consuma, para fins comerciais, os produtos ou subprodutos florestais. Para compensar o seu impacto ambiental, esse indivíduo ou instituição deve se responsabilizar pelo plantio equivalente de espécies adequadas à região. Uma outra possibilidade, é a compra de Créditos de Reposição Florestal, que podem ser comercializados por proprietários de áreas reflorestadas.

 

Reserva Legal

Corresponde à área de uma propriedade rural, onde a cobertura vegetal nativa deve permanecer intocada. Esse é um instrumento, previsto na lei, para garantir a sustentabilidade em atividades agropecuárias. A proposta visa promover a conservação e reabilitação da biodiversidade.

 

Roçada

Consiste no corte da vegetação baixa, através de foices, para auxiliar no crescimento das árvores. No caso da roçada mecanizada, são utilizadas roçadeiras mecânicas.

 

Sequestro de Carbono

Esse conceito define a captura do gás carbônico (CO²) presente na atmosfera, e sua transformação em oxigênio (O²). Essa ação é feita de forma espontânea pelas árvores, durante o seu ciclo de vida, e é essencial para reverter o acúmulo e concentração de gás carbônico na atmosfera, reduzindo o efeito estufa.

 

Silvicultura

Indica o estudo e a prática de um conjunto de técnicas utilizados para beneficiar e regenerar populações florestais, melhorando o aproveitamento e lucratividade na comercialização de produtos, como a madeira.

 

Sistema Agroflorestal (SAF)

Também conhecido como agrofloresta, o SAF reúne, em uma única unidade de manejo, associações de espécies vegetais de diferentes finalidades comerciais, bem como culturas agrícolas, produção de madeira e frutíferas. Esses consórcios não apenas beneficiam as espécies envolvidas, devido a diversificação, como também favorecem uma maior produtividade.

 

Sombrite

Material utilizado para a cobertura e proteção de mudas e plantas. Essa tela, utilizada para permitir e limitar a entrada de luz do sol, ar e umidade, foi desenvolvida para criar um ambiente propicio para o desenvolvimento vegetal.

 

Supressão Vegetal

Esse termo consiste na retirada da vegetação nativa de determinada área, a fim de transformá-la em uma área de atividades agropecuárias ou mesmo, em uma área de construção civil.

 

Talhão

É equivalente a uma quadra, dentro da área de plantio.

 

Viveiro

É um local construído com o objetivo de cultivar plantas e obter novas mudas. O viveiro deve oferecer as condições biológicas adequadas para que as plantas germinem e se desenvolvam até que tenham a maturidade suficiente para serem plantadas no local definitivo.

 

Um de nossos principais compromissos, na Radix, está na democratização do investimento florestal: acreditamos que o investir e lucrar com florestas plantadas é algo que deve estar ao alcance de todos. Quando dizemos todos, estamos falando não apenas sobre todos os portes de investidores, mas também todas as pessoas que queiram fazer a diferença em nosso futuro.

Sempre alinhados ao nosso propósito, e a fim de trazer cada dia mais acessibilidade às nossas comunicações periódicas, decidimos desenvolver esse breve “dicionário florestal”, em ordem alfabética, para que possa ser facilmente e rapidamente consultado por qualquer investidor ou entusiasta do manejo florestal.

Esperamos que gostem!

 

Por Milene Moraes Almeida
Pós-graduada em Marketing Socioambiental e
Gerente de Relacionamento com o Investidor Radix

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.